domingo, 18 de janeiro de 2009

Homenagem à Márcia, da Massa Crítica Aracaju



Na última sexta-feira Cicloativistas, membros do movimento Bicicletada Aracaju, fizeram uma homenagem a Márcia Regina de Andrade Prado, também Cicloativista e participante da Bicicletada São Paulo. Era um dia comum, Márcia já estava acostumada a pedalar todos os dias para seu trabalho, há aproximadamente 2 anos ela havia substituido seu carro pela bicicleta, por chegar mais rápido em seus destinos, sem poluir, humanizando a cidade e proporcionando-lhe um novo olhar pela cidade, seus habitantes e a qualidade de vida.


(foto: Canna)

Contudo, esse dia não foi como os outros, quando ela passava pela Av. Paulista, uma das avenidas movimentas de São Paulo, um ônibus a ultrapassou sem dar o tal 1,50m (um metro e meio) , distância de direito e garantida por lei (Art.: 201 do Código de Trânsito Brasileiro), provocando o desequilíbrio de Márcia seguido do tombo e atropelamento.



A Bicicletada Aracaju levou seu nome e a mensagem por aproximadamente 50km, passando atravessando rios por balsa e andando por estradas vazias clareadas apenas com a luz do luar. A bicicletada mais longa até então. No caminho, pessoas conheceram a história de Márcia e ficaram tocadas com o ocorrido.


os mensageiros



travessia da balsa

No caminho vazio e escuro, o momento de refletir sobre tudo. Principalmente no quanto a bicicletada é poderosa e está conectada por todo Brasil. A Massa Crítica se tornou uma família e em momentos como esse pode ser percebido a força do movimento. É triste ver que a mídia somente aparece nessas situações e não reconhece o poder de transformação que se encontra no uso da bicicleta.




a chegada

Nós do Ciclo Urbano, juntamente com a Bicicletada Aracaju enviamos forças para a família de Márcia, suas lutas e desejos não irão parar por aqui, pelo contrário, se fortalecerá cada vez mais!

5 comentários:

Fourier disse...

Nós aqui de São Paulo, ficamos agradecidos pela homenagem e reconhecimento à querida Márcia!

Obrigado companheiros!

Rafael Calegario disse...

quando voltava para casa depois da bicicletada, fui fechado por uma carro na avenida Francisco Porto e acabei colidindo, uns arranhões, um joelho doendo... + vivo e principalmente não teve nada com a bike ehhehehe. mas fica aí registrado, que ainda mta gente não respeita mesmo os ciclistas, homenagiamos a Márcia, mas não queremos ser homenagiados por agora... que deus acompanhe todos

Anônimo disse...

É isso galera da bike, a luta continua não desistamos de usar as magrelas.Sei bem o que é andar por essas ruas dessa louca São Paulo desvairada. Já faço um "pedal forte" á 4 anos percorrendo uma distancia de 40km no total de Diadema á São Paulo já fui atropelado por um caminhão e quase morri gaças á Deus não quebrei nenhum ossinho. Lutemos por mais ciclovias que tal angariarmos assinaturas e enviar á algum abençoado para que a cada rodovia nova ou recuperada se implante ciclovias e se possivel criar uma cicloferrovia ladeando as linhas de trem.
Um abraço.
Rogério Diadema,SP

e.m disse...

Como importante manifestação urbana e cultural a bicicletada tem demonstrado sua força e expressão pelas ruas da cidade. Muitas pessoas comentam sobre todos os grupos que pedalam por Aracaju, sejam os mais organizados ou os que se "organizam para desorganizar" (Chico Science). Quero expressar o quanto tornou-se importante para mim poder acompanhá-los, mesmo que ainda muito pouco, devido a falta de tempo e excesso de viagens.

Grande abraço em nome de Márcia, Eder Malta.

Anônimo disse...

é galera não ta facil para os ciclistas aqui nessa cidade não
eu tava na minha humilde residencia almçando quando vi
no sptv essa tragédia que aconteceu dia 14/01 é uma pena que
a marcia não esta entre nós ..mas se ela se foi é pq ja cumpriu sua missão na terra e agora desnça ao lado de deus nesse momento ...
esses motoristas de Ônibus,caminhão,carro etc,não respeita os ciclistas e os motoboys
eu ja quase fui atropelao por um carro quando vinha com minha bicicleta de um parque e se nós ciclistas não correr atráz de nossos direitos vai acontecer mais tragédias igual a que aconteceu com nossa querida marcia.

ela teve uma morte horrivel a midia comento que o onibus do conssorcio sudoeste que fazia a linha 857h/10 metro.vl mariana-terminal lapa passo justo por cima da cabeça da marcia é uma pena é isso que tenho a dizer ..
meus pezames a familia dela

e que ela esteja junto a deus e que nos proteja desse transito maluco dessa cidade que a cada dia tira sonhos de muitas familias !!